A inevitável abordagem do urbanismo paisagístico – Melhores Práticas de Manejo - no ensino acadêmico no Brasil.

Diego Paim Silveira, Newton Célio Becker Moura, Rafaela Ponte Lima Cardoso

Resumo


Conceitos de planejamento e projetos para cidades resilientes embasados em infraestruturas de drenagem urbanas compensatórias já possuem significativo embasamento técnico e experimental. No Brasil, o conhecimento das Melhores Práticas de Manejo (MPM’s) é incipiente entre os profissionais e graduandos da arquitetura e urbanismo. Contudo, em 2017, o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) exigiu o conhecimento desse tipo de infraestrutura multifuncional de graduandos em arquitetura e urbanismo. Nesse contexto, este artigo caracteriza os problemas de gestão da drenagem das águas nas cidades urbanas. Em seguida, avalia como as MPM’s foram abordadas no exame do Enade. Após isso, terá como estudo de caso a análise da matriz curricular do curso de graduação em arquitetura e urbanismo da Universidade de Fortaleza. Finaliza verificando como a instituição dá continuidade na abordagem desse tema em seu Programa de Pós-graduação no Mestrado Profissional Ciência na Cidade (MPCC), constatando-se que a ciência das MPM’s é efetiva na grade curricular do curso de graduação, além de proporcionar seu aprimoramento científico no programa de pós-graduação.

Referências


BONZI, S.R. Paisagem como Infraestrutura. In: PELLEGRINO,P.; MOURA,N.B. (orgs). Estratégias para uma Infraestrutura Verde. Barueri, SP: Manole, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). ENADE, Brasília, DF, 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2017.

CANHOLI, A.P. Drenagem Urbana e Controle de Enchentes. 2ª ed. São Paulo, SP: Manole, 2017.

CURADO, M. M. de C. Paisagismo contemporâneo: Fernando Chacel e o conceito de ecogênese. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro,2006.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. ENADE. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br/web/guest/enade>. Acessado em: 18 jan. 2018.

MARTINS, J. R. S. Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano. 2º Seminário Uso Racional da Água e Habitação de Interesse Social no Estado de São Paulo. São Paulo – SP, 2011. Disponível em: . Acessado em: 11 jan. 2018.

MARTINS, J. R. S. Gestão da drenagem urbana: só tecnologia será suficiente. In: SÃO PAULO. Governo do Estado de São Paulo. Apostila do módulo: Obras sujeitas a outorga. FTCH: São Paulo, 2012. Disponível em: < http://www.daee.sp.gov.br/outorgatreinamento/Obras_Hidr%C3%A1ulic/gestaodrenagem.pdf>. Acessado em: 29 jan. 2018.

MEYER, E. K. Sustaining beauty.The performance of appearance – A manifesto in three parts. Journal of Landescape Architecture - JOLA. Spring 08, Editorial 4, p.6-23, 2008.

PELLEGRINO, P. Paisagem como Infraestrutura hídrica. In: PELLEGRINO,P.; MOURA,B.N. (orgs.) Estratégias para uma Infraestrutura Verde. Barueri, SP: Manole, 2017.

TUCCI, C. E. M. Água no meio urbano. Rio Grande do Sul, 1997 Disponível em: . Acessado em: 4 jan. 2018.

UNIFOR – Universidade de Fortaleza. Graduação / Pós-graduação . Disponível em: < http://www.unifor.br/index.php?option=com_content&view=frontpage&Itemid=48>. Acesso em: 14 jan. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Políticas Públicas & Cidades - 2359-1552

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

POLÍTICAS PÚBLICAS & CIDADES ESTÁ INDEXADA NAS SEGUINTES BASES CIENTÍFICAS E DE DADOS