O ensino do Urbanismo e o modelo disciplinar: crítica e reflexão para uma nova agenda

Hugo Kamiya Tsutsui, Luana Kerber, Pollyana Larissa Machiavelli

Resumo


O artigo objetiva compreender os avanços e limitações do ensino de urbanismo a partir da análise do projeto pedagógico - implantado em 2008 - e da sua aplicação - 2010 a 2013 - na graduação de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual de Maringá. Parte-se de uma breve contextualização do urbanismo brasileiro ao longo do tempo, identificando os principais modelos de planejamento, e como estes se inserem, ou não, no ensino a ser relatado. O relato aborda desde as diretrizes do currículo implantado à sua execução, como as principais metodologias adotadas e o seu processo - repetitivo - ao longo do curso. Se por um lado houve avanço no principal objetivo da disciplina deste novo currículo, com a maior compreensão na articulação entre plano e projeto, por outro, elenca-se uma série de limitações, desde a falta de bases teóricas críticas, de diferentes abordagens metodológicas, à ausência da interdisciplinaridade. Por fim são levantadas perspectivas e experiências interessantes à reflexão, como o caso do Bacharelado em Planejamento Territorial (UFABC) e  do ensino de urbanismo europeu com o Processo de Bolonha.

Referências


ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS. Subsídios para a Reforma da Educação Superior. Rio de Janeiro: ABC, 2004.

ARANTES, O. Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. (Orgs). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.

FRANK, A. et al. Educating planners in Europe: A review pf 21st century study programmes. Progress in Planning, V. 91, p. 30-94, 2014.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

LAWSON, Bryan. Como arquitetos e designers pensam. Tradução de Maria Beatriz Medina. São Paulo, Oficina de Textos, 2011.

MOUTINHO, Mário. O Ensino do Urbanismo na Europa e o Processo de Bolonha. Malha Urbana - Revista Lusófona de Urbanismo. [S.l.]. n. 3, maio 2009.

KLINK, J.; MOMM, S.; ZIONI, S.; FAVARETO, A.; MENCIO, M. O campo e a práxis transformadora do planejamento: reflexões para uma agenda brasileira. Rev. Bras. Estud. Urbanos Reg. (online), Recife, V. 18, p. 381-392, 2016.

OLIVEIRA, F. Elegia para uma re(li)gião. Sudene, Nordeste. Planejamento e conflitos de classes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

PIQUET, R.; RIBEIRO, A. Tempos, ideias e lugares - O ensino do planejamento urbano e regional no Brasil. Rev. Bras. Estud. Urbanos Reg., V. 10, N. 1, p. 49-59, 2008.

RANDOLPH, R. A nova perspectiva do planejamento subversivo e suas (possíveis) implicações para a formação do planejador urbano e regional - o caso brasileiro. X Colóquio Internacional de Geocrítica, Barcelona, 2008.

REGO, R. O desenho urbano de Maringá e a idéia de cidade-jardim. Acta Scientiarum Maringá, v. 23, n. 6, p. 1569-1577. 2001.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Resolução 090-08: Novo projeto pedagógico Arquitetura e Urbanismo. Maringá, 2008.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Projeto Pedagógico do curso: Bacharelado em Planejamento Territorial. São Bernardo do Campo, 2017.

VAINER, C. Pátria, empresa e mercadoria: notas sobre a estratégia discursiva do planejamento estratégico urbano. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. (Orgs). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Políticas Públicas & Cidades - 2359-1552

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

POLÍTICAS PÚBLICAS & CIDADES ESTÁ INDEXADA NAS SEGUINTES BASES CIENTÍFICAS E DE DADOS