O USO DE GEOTECNOLOGIAS PARA PROMOÇÃO DA CIDADANIA ATRAVÉS DA MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DOS ESPAÇOS PÚBLICOS: UMA APLICAÇÃO DO PROJETO PONTO CERTO

Elton Andrade dos Santos, Macello Santos de Medeiros, Rita Maria Bastos Vieira

Resumo


O trabalho trará uma abordagem vinculada ao direito das pessoas à cidade principalmente aquelas que possuem alguma limitação de ordem física e que merecem ter seu direito ao acesso universal aos espaços urbanos e à informação garantidos, através da instalação de sinalizações adequadas que permitam a autonomia, sem restrições aos espaços públicos. Serão tratados os diversos problemas urbanos, ocasionados pelo aumento da população, pela falta de infraestrutura nas cidades, e também possíveis soluções adequadas para se obter uma cidade acessível que proporcione uma qualidade de vida melhor para a população. Apesar de todas as leis que protegem e exigem o cumprimento do direito de ir e vir, não é difícil observarmos o descaso das autoridades no que se refere à questão da acessibilidade. No caso específico da pessoa com deficiência ou mobilidade reduzida a realização de deslocamentos de maneira segura e satisfatória está diretamente relacionada com as condições de acessibilidade, hoje ainda, restrita a poucos espaços nas cidades brasileiras. Observa-se que há também relações econômicas e sociais muito presentes na vida da pessoa com alguma deficiência ou mobilidade reduzida. Nesse contexto, a renda torna-se um fator preponderante, pois aqueles que dispõem de maiores recursos terão maiores possibilidades de terem acesso aos bens e serviços urbanos, por residirem em locais onde a qualidade dos serviços públicos é melhor, diferentemente daqueles com menor renda que estão totalmente dependentes das ações e intervenções realizadas pelo poder público. A proposta que será apresentada no decorrer do trabalho deriva da execução do projeto de pesquisa e extensão denominado Ponto Certo, que tem como principal finalidade a análise das condições de acessibilidade nos pontos de parada de ônibus da cidade de Salvador-Bahia, utilizando o recurso da cartografia digital (SIG).


Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, espaço, mobiliário e equipamento urbano. Brasil, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14022: Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal. Brasil, 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16537: Acessibilidade — Sinalização tátil no piso — Diretrizes para elaboração de projetos e instalação. Brasil, 2016.

BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília, Senado, 1988.

BRASIL, Decreto nº. 5296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nº. 10.048 de 08 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e nº. 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

BRASIL, Lei nº. 10.048, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial da União, DF, 20 de dezembro de 2000.

BRASIL, Ministério das Cidades. Política Nacional de Mobilidade Urbana. Brasília: 2012.

CAVALCANTE, Marilia M. Acessibilidade integrada: proposta de módulo de integração para avaliação, execução e implantação do Desenho Universal, 2012 Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal da Bahia, 2012.

FERRAZ, A.C.P.; TORRES, I.G.E. Transporte Público Urbano. 2001

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Censo Demográfico 2010. Disponível em:

demog2010_defic>. Acesso em: 5 Jun 2017.

LEFEBVRE, Henri. The Production of Space. Trad. Donald Nicholson Smith. Cambridge, Blackwell, 1991.

MOREIRA, Elizabeth Barbosa. Desenho Universal: Ponto de Ônibus para Todos. Cuiabá, 2009

SOUSA, Paulo Victor de. Cartografia 2.0: Pensando o Mapeamento Participativo na Internet. IN Geografias da comunicação: espaço de observação de mídia e de culturas / Organização, Sonia Virgínia Moreira. – São Paulo: INTERCOM, 2012.

VASCONCELOS, Eduardo A. Transporte Urbano, espaço e equidade, São Paulo, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Políticas Públicas & Cidades - 2359-1552

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

POLÍTICAS PÚBLICAS & CIDADES ESTÁ INDEXADA NAS SEGUINTES BASES CIENTÍFICAS E DE DADOS