INDICADORES PARA UMA CIDADE INTELIGENTE

anônimo 4 preprint, Anônimo 4 preprint

Resumo


A cidade inteligente e a cidade digital confundem-se entre si, e estas terminologias podem ser utilizadas para indicar uma estratégia urbana inovadora, visando a melhoria da qualidade de vida nas zonas urbanas e sua comunicação. Na fundamentação teórica buscou-se compreender as definições de cidade inteligente e suas fases. O objetivo é analisar a opinião dos cidadãos sobre os indicadores para demandas de uma cidade inteligente no contexto da cidade digital estratégica. A metodologia da pesquisa caracterizou-se como estudo exploratório e quantitativo junto a 172 cidadãos. Os resultados e a conclusão apontam que os indicadores para suporte de uma cidade inteligente reiterando que 75,6% dos respondentes concordam que a cidade possui água tratada de qualidade e 60,5% tem saneamento básico de qualidade. Por outro lado indicadores de baixa concordância é para a variável segurança com 70,3%, geração de emprego e renda com 53% e mobilidade urbano com 60,5%, cujos quesitos devem ter uma maior atenção por parte dos gestores públicos.


Texto completo:

PDF preprint

Referências


AL-HADER, M. et al. Smart city components architecture. In: 2009 International Conference on Computational Intelligence, Modelling and Simulation. IEEEp. 93-97, 2009.

ANGELIDOU, M. Smart city policies: A spatial approach. Cities, v. 41, p. S3-S11, 2014.

ANTHOPOULOS, L. G.; TOUGOUNTZOGLOU, T. E. A viability model for digital cities: economic and acceptability factors. In: Web 2.0 Technologies and Democratic Governance. Springer New York, p. 79-96, 2012.

ANTHOPOULOS, L. G.; VAKALI, A. Urban planning and smart cities: Interrelations and reciprocities. In: The Future Internet Assembly. Springer Berlin Heidelberg, p. 178-189, 2012.

BACCARNE, B. et al. The role of Urban Living Labs in a Smart City. ISPIM Conference Proceedings, Manchester, p. 1-16, 2014.

BAKICI, T.; ALMIRALL, E.; WAREHAM, J. A Smart City Initiative: the Case of Barcelona. Journal of the Knowledge Economy, New York, v. 4, n. 2, p. 135-148, 06 2013.

BATAGAN, L., PHD. Smart Cities and Sustainability Models. Informatica Economica, Bucharest, v. 15, n. 3, p. 80-87, 2011.

BOUSKELA, M. et al. Caminho para as Smart Cities: Da Gestão Tradicional para a Cidade Inteligente. Banco Interamericano de Desenvolvimento: 2016.

CARAGLIU, Andrea et al. Smart Cities in Europe. Journal Of Urban Technology, [s.l.], v. 18, n. 2, p.65-82, abr. 2011

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2002.

CHICHERNEA, V. Smart cities communities and smart ict platform. Journal of Information Systems & Operations Management, Bucharest, p. 1-11, Summer 2015.

CHOURABI, H et al. Understanding smart cities: An integrative framework. In: System Science (HICSS), 2012 45th Hawaii International Conference on. IEEE, p. 2289-2297, 2012.

COHEN, B. The 3 Generations Of Smart Cities: Inside the development of the technology driven city. 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2016.

CONNECTED SMART CITIES. Cidade do futuro do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2016.

DAMERI, R. P.; COCCHIA, A. Smart city and digital city: twenty years of terminology evolution. In: X Conference of the Italian Chapter of AIS, ITAIS, p. 1-8, 2013.

DAMERI R.P. Defining an evaluation framework for digital cities implementation, IEEE International Conference on Information Society (i-Society), 2012.

DAMERI, R.P.; RICCIARDI, F.; D'AURIA, B. Knowledge and Intellectual Capital in Smart City. European Conference on Knowledge Management, Kidmore End, v. 1, p. 250-257, 09, 2014.

DAMERI, R. P.; ROSENTHAL-SABROUX, C. Smart city and value creation. In: Smart City. Springer International Publishing, p. 1-12, 2014.

DAMERI, R. P. Searching for Smart City definition: a comprehensive proposal. International Journal of Computers & Technology, v. 11, n. 5, p. 2544-2551, 2013.

E-GESTÃO PÚBLICA (Org.). Qual a diferença entre cidades digitais e cidades inteligentes. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2016.

EINEMANN, E.; PARADISO, M. Digital cities and urban life: a framework for international benchmarking. In: Proceedings of the winter international synposium on Information and communication technologies. Trinity College Dublin, p. 1-6, 2004.

FREITAS, H. et al O método de pesquisa survey. São Paulo/SP: Revista de administração da USP, RAUSP, v. 35, n. 3, Jul-Set. , p. 105-112, 2000.

FUNAI, M. T. ; REZENDE, D. A. . Governo eletrônico na gestão municipal: avaliação dos serviços eletrônicos da prefeitura de São José dos Pinhais (Paraná). Gestão & Regionalidade, v. 27, p. 15-29, 2011.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GONÇALVES, D. Pesquisas de marketing pela internet: as percepções sob a ótica dos entrevistados. Revista de Administração Mackenzie, América do Norte, 2009.

HAJDUK, S. The Concept Of A Smart City In Urban Management. Business, Management and Education, Vilnius, v. 14, n. 1, p. 34-49, 2016.

KOMNINOS, N. Intelligent cities: innovation, knowledge systems, and digital spaces. Taylor & Francis, 2002.

KOTLER, P. Administração de marketing: edição do novo milênio. 10.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

MALHOTRA, K. N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTINS, G. de A. Sobre validade e confiabilidade. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, São Paulo, p.1-12, jan./abr. 2006.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: edição compacta. São Paulo: Atlas, 2000.

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES. Minha Cidade Inteligente. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2016.

MITCHELL, V. W.; VOLKING, Y. E. Analysing the quality of management information: A suggested framework. Management Decision. London: 1993.

PATASIENE, I.; PATASIUS, M. Digital Dimension in Smart City: Case of Cities of Baltic Countries. Viesoji Politika ir Administravimas, Vilnius, v. 13, n. 3 2014.

REZENDE, D. A. Planejamento de estratégias e informações municipais para cidade digital: guia para projetos em prefeituras e organizações públicas, Atlas, São Paulo, 2012.

ROCHE, S. Geographic Information Science I: Why does a smart city need to be spatially enabled? Progress in Human Geography, London, v. 38, n. 5, p. 703-711, 10 2014.

ROESCH, S.M.A. Projeto de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertação e estudos de caso. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

ROULAND, C. Smart cities: Weighing the Risks and Rewards of Connecting Communities. Risk Management, New York, v. 62, n. 10, p. 26-30, 12 2015.

SANDRINI, Carlos (Ed.). Smart Cities: cidades estão cada vez mais inteligentes. Disponível em: . Acesso em: 17 abr. 2017

SCHULER, D. Digital cities and digital citizens. In: Kyoto Workshop on Digital Cities. Springer Berlin Heidelberg, p. 71-85, 2001.

SHICHIYAKH, R.A. et al. Smart City as the Basic Construct of the Socio-economic Development of Territories. International Journal of Economics and Financial Issues, Mersin, v. 6, n. 1, 2016.

SIEGEL, S.; CASTELLAN, Jr, N.J. Estatística Não Paramétrica para as Ciências do Comportamento. Artmed-Bookman. São Paulo, 2006

SMART CITIES (Ed.). Primeira norma ISO para as cidades. 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2016.

SU, K.; LI, J.; FU, H.. Smart city and the applications. In:Electronics, Communications and Control (ICECC), 2011 International Conference on. IEEE, p. 1028-1031, 2011.

ZYGIARIS, S. Smart City Reference Model: Assisting Planners to Conceptualize the Building of Smart City Innovation Ecosystems. Journal of the Knowledge Economy, New York, v. 4, n. 2, p. 217-231, 06, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Políticas Públicas & Cidades - 2359-1552

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

POLÍTICAS PÚBLICAS & CIDADES ESTÁ INDEXADA NAS SEGUINTES BASES CIENTÍFICAS E DE DADOS